Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Buscar  

Izaída Stela do Carmo Ornelas

izaidacarmo@hotmail.com

Quase ninguém. Tentando ser alguém. Izaida Stela. Izaida Carmo. Izaida Ornelas. Iza. Muitas e uma só.


Publicada em 01/10/2015
Que valores são mesmo de valor? A que valores você dá valor?

por Izaída Stela do Carmo Ornelas

Minha geração forneceu os protagonistas de todas estas palhaçadas que vemos nos jornais: lava-jato, mensalão, propinoduto, entre outras menores, corriqueiras, mas não menos criminosas.

É que minha geração teve uma criação muito estranha. A maioria de nós foi criada pra levar vantagem de tudo, achando bonito dar manta nos outros, aceitando como verdades absolutas tudo o que nos era dito pelos mais velhos. Respeito irrestrito, irresponsável e irracional a pais, avós e similares.

Aquele parente caloteiro tinha que ser recebido em nossas casas com toda cerimônia, servido com o melhor jantar, etc. Ao mesmo tempo, éramos alimentados com o pior exemplo possível. A autoridade corrupta recebia louros, afilhados, nome de rua e se sentava à cabeceira das mesas das melhores famílias. Sem que houvesse protestos em nenhum jornal. Muitos pedófilos tinham lugares garantidos nas festas de família, enquanto o núcleo abusado não comparecia ao evento, simples e silenciosamente. Dolorosamente. Não nos faltam exemplos. Acho que cada um pode acrescentar um causo dessa prática.

Alguns de nós conseguimos quebrar - em parte - esse círculo vicioso, criando nossos filhos à luz da razão, com noções melhoradas de dignidade e ética. Talvez porque sofremos demasiado a dor da vergonha alheia. Também porque fomos criando uma revolta produtiva contra esses disparates que se desenvolviam à nossa volta. 

Marcelo Odebrecht, ao discorrer sobre a delação premiada, exemplifica a continuidade dessa criação: Quando lá em casa minhas meninas brigavam eu perguntava quem fez isso? Eu talvez brigasse mais com quem dedurasse. Ele incorre num juízo esvaziado de valor: não importa o que foi feito, não importa a causa; só as consequências merecem destaque. 

Na mesma linha de raciocínio, temos o velho ditado: Quem fala a verdade não merece castigo. Tratando a causa: quem fala a verdade, desde sempre, não fará nada que possa merecer castigo algum. O problema é saber o que é verdade, no meio de tanta falácia. Tenho dito.


E as perguntas continuam em aberto:

Que valores são mesmo de valor?
A que valores você dá valor?






Publicada em 01/10/2015
NININHA

por Izaída Stela do Carmo Ornelas

Minha avó materna, Maria Izaltina, era uma pessoa de muitos nomes. Para os filhos, minha mãe; para aos netos, Dindinha; para mim, Nininha. 
O sobrenome dela varia na certidão dos dez filhos que teve: de Jesus, Gomes e Moreira. Sua personalidade forte fazia com que suas ações fossem diferentes das ações das mulheres de seu tempo. As muitas histórias dela são necessárias. Sim! São necessárias para os dias de hoje!

A primeira
Uma de suas filhas não comia quiabo. Mesa posta, na casa da comadre: uma panela de frango com quiabo... Minha avó desculpou-se com a amiga, avisando que a filha não comia quiabo. "Como, sim!" - corrigiu a menina. Nininha ficou quieta. Quando chegou em casa, mandou buscar quiabo na horta, matou uma galinha e chamou a filha pra jantar. "Não como quiabo, minha mãe. A senhora sabe..." - afirmou a mocinha. "Come, sim! Tá de lamber os beiços!" - falou por entre os dentes, usando um tom de voz quase debochado, que combinava muito bem com o olhar azul educador. Chamou os outros filhos para ver. Não para comer, porque aquele frango era somente para a atrevidinha. Nenhum de seus filhos virou mentiroso ou falsário.

Segunda
Visitando outra comadre, o filho da dona-da-casa era uma verdadeira pestinha. Chutou as canelas de Nininha, bateu num de seus filhos, quebrou seu guarda-sol... Quando a comadre se distraiu, o moleque disparou a fazer caretas, mostrar a língua e toda sorte de disparates. Nininha chamou o menino e deu a ele um "agrado": dinheiro o suficiente para uma boa quantidade de doces. Esclareceu: "Que lindo! Nunca tinha visto um menino tão engraçado e talentoso assim! Aposto que se você fizer isso sempre, todas as outras visitas vão te dar até mais dinheiro do que eu!". Quando a comadre veio à casa de Nininha, "pagando" a visita, soube-se que o moleque havia apanhado bastante e estava de castigo, por conta de traquinagens. Sempre soubemos a verdade: por conta de Nininha! Nenhum dos dez filhos se esqueceu de recontar este caso aos netos dela.

Terceira
Retornando do velório de um parente, notou que um dos filhos trazia um brinquedo que não lhe pertencia. "Apertado", ele disse que havia encontrado o carrinho no terreiro da casa do morto. Mesmo sendo já noite, fez com que o rapazinho levasse de volta o objeto e recolocasse no mesmo lugar onde havia encontrado. Claro que meu avô foi atrás, vigiando sem o filho perceber. Mas nenhum de seus filhos virou ladrão.

Saudades do tempo em que dignidade era a lei.

Na foto acima: Madrinha Iracy, Nininha e minha mãe.





Redes Sociais


(32) 99811 - 2765

Publicidade Lateral
Hora Certa
Colunistas

Valber Augusto

Curiosidades marcam a primeira eleição direta do país, há 120 anos


Izaída Stela do Carmo Ornelas

Que valores são mesmo de valor? A que valores você dá valor?


Guanayr Jabour Amorim

TURISMO & DESENVOLVIMENTO


Enquete
Você é a favor da transmissão das reuniões da Câmara Municipal de Divino-MG?

 Sim
 Não

Estatísticas
Visitas: 1698453 Usuários Online: 128


Parceiros
Parceria de sucesso

Fique por dentrro dos principais acontecimentos de Divino e região!
Copyright (c) 2017 - Jornal O Impacto - Todos os direitos reservados